Texto alternativo

 

A natureza da

Natureza Humana


Este conteúdo é um resumo que fiz de uma aula do biólogo e professor Bruce Lipton, autor de A Biologia da Crença.


Nesta aula, Prof. Bruce Lipton responde às 3 questões eternas e universais...

1. Como chegamos aqui?

2. Por que estamos aqui?

3. Como fazemos o melhor disso?


...ao longo da história da ciência e do conhecimento humano.

Através desse conhecimento conseguimos ter clareza do ponto em que a humanidade se perdeu na separação entre si e a Natureza. E também o ponto  de reintegração em que a Nova Ciência está chegando agora.

Bruce Lipton nos mostra um caminho de consciência para a vivência em harmonia com a nossa Natureza. Bora?

"Estamos começando a descobrir que nosso comportamento não está alinhado com a natureza.

Estamos a encontrar uma ciência nova, melhor e mais holística, que pode nos ajudar."


Animismo  +1800aC

 

1. Como chegamos aqui?
As pessoas nativas, como indígenas, viam tudo como espiritual e material ao mesmo tempo. Toda árvore, grama, animal eram espirituais.

Antes da caça, faziam oferenda agradecendo ao espírito do animal. Equilibravam o reino espiritual com o material. E dessa forma era maravilhoso, havia grande harmonia no mundo.


Essas pessoas viam o mundo como um jardim e eles eram jardineiros a cuidar desse jardim.

 

 

Nativos norte-americanos, por exemplo, qual era o resultado do paradigma basal deles? 

"Viemos do pai céu e da mãe terra."

Parece mitológico. Mas existe uma verdade científica nisso.

O corpo físico veio da terra, da química e da matéria da Terra. Então, a mãe nos deu o corpo físico.

Mas a vida foi introduzida dos fótons de luz que vieram do sol. Então o pai céu nos ofereceu a energia que iluminou a nossa matéria física.

Assim está criado o que é chamado de química orgânica: a fusão da luz do céu com a matéria da Terra criou a química que iniciou a vida.

Então o sistema de crenças nativo, do pai céu e da mãe Terra é cientificamente correto.

 

2. Por que estamos aqui?

"Somos organismos deste jardim. Estamos aqui para cuidar do jardim, viver em harmonia com o jardim e manter o jardim."

 

3. Como fazemos o melhor disso? 

"Aprendendo a viver em harmonia com a natureza."

 

Esse foi o sistema de crenças que cultivou a forma como eles viviam neste planeta, como formavam comunidades, como se relacionavam uns com os outros e especificamente como se relacionavam com o planeta. Era um tempo muito pacífico.



O politeísmo 4000 aC  colocou a espiritualidade fora do homem. Criou um deus para cada coisa. Mas ainda estavam relacionados com a Terra, os deuses eram da Terra.

 

1.Chegamos aqui pelo caos - ainda é científico, da energia invisível veio o big bang e a precipitação da matéria.

 

2. Por que estamos aqui?

Não tinha plano, veio do caos e não tinha um plano.

 

3. Como tirar o melhor proveito? 

'Não irrite os deuses' - os deuses podiam ser qualquer coisa. Então todo mundo estava coagido a respeitar as coisas porque qualquer um podia ser um deus.



(800 dC) - Monoteísmo Judaico-cristão

 

O espiritual é externo e invisível. Matéria não era espiritual.

O jardim está fora. Perdemos o jardim. Talvez iremos ao jardim-céu depois de morrer.

 

1. Como chegamos aqui? Intervenção divina

2. Por que estamos aqui? Jogos de moralidade

3. Como fazemos o melhor disso? As leis da bíblia

 

Entramos em corrupção. "Dê-nos todos seus bens materiais e garantimos o céu."


1500 dC - Protestantismo - M. Luther desafia a igreja. Posses refletem seu alinhamento com Deus.

 

1543 - morte de Copérnico e revelação de que a Terra não era o centro do universo (Das Revoluções das Esferas Celestes)

= Revolução Científica Moderna, o nascimento da ciência moderna.



Descartes - 1637 - discurso sobre o método 

"Duvide de tudo". Renunciar a dúvida apenas com provas. Duvidar dos sentidos, eles causam alucinações.

Mecanismo celeste. Universo mecânico.

 

Newton - 1687 - Princípios matemáticos da filosofia natural

Nascimento da física [que significa mecanismo, como se desenvolve o universo. É a ciência fundamental das ciências]

"O universo é uma máquina" - materialismo - pode entender o universo observando a matéria. Tinha que contornar a Igreja.

 

Francis Bacon fala da natureza como feminina: "ela deve ser controlada e restrita e domada" - visão misógina.

A missão da ciência era controlar a natureza.

 

Elimina espiritualidade e tudo é máquina.

Separa a mente, que não é física. "não precisa entender as forças invisíveis para entender as máquinas"

A mente fica para a metafísica, separada da física, sob domínio da igreja. 

Foi assim que a ciência conseguiu decolar, mesmo sendo a igreja a controladora suprema.



A era da iluminação = Deísmo 1776
John Locke, em Londres

Jean-Jacques Rousseau em Paris

"Existe uma forma de viver livre e equilibrado e em harmonia com este planeta"

Utopia

 

Rousseau estudou os nativos americanos!

 

Filosofia de que deus e a natureza são a mesma coisa e ao entender a natureza você entende melhor deus. Espírito e matéria são o mesmo = Deísmo 1776

 

[Nativos norte-americanos tinham um senado de avós (mulheres) e só as mulheres votavam quem ia ser o chefe da tribo.]



1859 - Charles Darwin - A Origem das Espécies

A igreja deixa de ser a chefe do mundo


1. Como chegamos aqui?

Resposta mutações aleatórias era amplamente aceita porque as pessoas viam isso nas plantas e animais criados. Ciência Materialista.

 

2. Por que estamos aqui?

Acidental, não tem propósito.

Survival of the fittest : "não tem o suficiente para todos, luta pela sobrevivência"

 

A luta pela sobrevivência é baseada numa crença dada por Thomas Malthus. Em vez de ser um deísta ou uma pessoa iluminada, ele criou uma filosofia chamada pessimismo.

O pessimismo afirma que enquanto as plantas crescem, elas não crescem tão rápido quanto os animais se reproduzem.

Em outras palavras, progressão aritmética no crescimento populacional das plantas e progressão geométrica no crescimento populacional dos animais. "Vai ter uma luta inevitável por comida porque vai ter mais animais do que comida/plantas" => Essa é a fundação da teoria de Darwin.

Malthus sugere que, para evitar as crises,  as favelas sejam construídas em ambientes pantanosos para os pobres, que vão morrer mais de doenças. Que haja fome e que haja guerras para conter o crescimento populacional (dos pobres)

A guerra se tornou uma "necessidade biológica". Depois a ciência inseriu o controle de natalidade.

 

"Sobrevivência do mais forte"

Forte / FIT = adaptado ao ambiente e capaz de sobreviver.

Na lei de "o mais forte" só uma pequena parte sobreviveria, e não todos capazes de sobreviver. Sobrevivência da alta classe.

Os que podem sobreviver mas não são da alta classe são eliminados por guerra (doenças e fome acabam também acontecendo).

 

Enquanto a seleção natural elimina os biologicamente fracos, porque a própria natureza elimina os mais fracos,

A classe alta faz a seleção não natural eliminando a classe baixa. A existência das guerras "se justifica".

 

1953 DNA descoberta da dupla hélice = Auge do materialismo. Não há espaço para espiritualidade na ciência.

Dogma científico levou à crença de quanto mais evoluído o ser, mais genes ele teria. 97% do DNA a ciência não compreende e é considerado "lixo"

Na verdade, temos tantos genes quanto uma minhoca primitiva.

 

1990-2003 O Projeto Genoma revelou o contrário do que era esperado: que os genes não são a fonte de controle do que se passa na nossa biologia, são simplesmente alguns dos genes que podem fazer isso.

 

Todo o conceito do modelo médico dos humanos serem máquinas bioquímicas e serem controlados pelos genes é completamente falso.

E é interessante porque essa ideia errada revela que todo o nosso sistema de crença na medicina, de trabalhar com genes como fonte das características e controlarem a vida, estava nos enganando e levando para o caminho errado.

 

A medicina alopática é a terceira maior causa de morte nos EUA, depois de morte por doença cardíaca e câncer. [Dra Barbara Starfield, Jornal da Associação Médica Americana]

 

A medicina alopática é fatal porque não entende a ciência da natureza.

 

Lamark, 50 anos antes de Darwin, percebeu que todo organismo se encaixa em seu ambiente.

Defendia que a evolução é baseada no desenvolvimento do sistema nervoso.

Devemos voltar à história de Lamark, que foi dada por piada pelos cientistas.

Agora, no desenrolar da nova ciência, percebe-se que Lamark já tinha revelado o insight mais valioso, os conhecimentos mais profundos:

 

 

A forma como um organismo responde ao ambiente irá determinar o destino e as características desse organismo.

 

 

Estamos a encontrar uma ciência nova, melhor e mais holística, que pode nos ajudar.

É o momento de construir novas crenças na mudança para um Novo Mundo.

 

Temos que reconhecer que o que está acontecendo no nosso planeta hoje, caminhando para a sexta extinção em massa, tendo o ser humano como protagonista nessa destruição, tem a ver com esse antropocentrismo. Tem a ver com o comportamento humano.

Estamos começando a descobrir que nosso comportamento não está alinhado com a natureza.

 

Se quisermos seguir em frente com nosso planeta, temos que usar a sabedoria de A. Einstein: 'nós não podemos solucionar problemas usando o mesmo tipo de pensamento que usamos ao criá-los'.

 

Nós somos responsáveis, nossas crenças e comportamentos estão contribuindo com a nossa extinção.

 

 

As 4 suposições do apocalipse:

Fomos levados a acreditar que essas 4 crenças estão corretas cientificamente. E construímos uma cultura com base nessas crenças.

Na verdade, são percepções míticas. Não são verdades, são mitos a que fomos levados a acreditar e que gerenciam nossas vidas. Agora sabemos que são cientificamente inválidos.

Mito 1: Processos biológicos usam a física newtoniana

Os processos biológicos usam a física quântica (que inclui a newtoniana como uma parte bem pequena dela).

Tudo é energia. Tudo que você pensa ser matéria também é energia, e está ligada a tudo, a todas as formas de energia.

Se você deixa fora a energia do ambiente, você perde um componente muito importante que determina a qualidade e o caráter das nossas vidas.

Mito 2: Genes controlam a biologia

É uma crença ainda ativa e é totalmente falsa. Epigenética é a revolução científica que explica como se dá o controle da biologia e da manifestação genética.

Mito 3: Sobrevivência do mais forte
O mundo baseado na competição. Todo mundo é levado a lutar para não estar por baixo, para estar em uma área segura, que é bem pequena. É uma corrida uns com os outros, uma batalha competitiva.

Essa competição se torna facilmente violenta e se torna guerra "justificada".

Hoje se sabe que a evolução é baseada em cooperação. Um jardim não é um campo de batalha, um jardim é uma comunidade cooperativa e é suposto que fazemos parte desse jardim.

No nosso mundo, na nossa luta e competição, estamos destruindo o jardim em que vivemos. Então não é válida a crença na sobrevivência do mais forte.

É a sobrevivência de quem mais se adequa, a quem se adapta melhor ao ambiente e aos outros organismos neste planeta, estes são encorajados a sobreviver.

Aqueles que desafiam a estrutura existente vão enfrentar a extinção e é onde a civilização humana está neste momento.

Mito 4: As mutações aleatórias são o primeiro passo na ascensão evolutiva

Se você acredita nisso, não tem propósito estarmos aqui, somos feitos de uma série de acidentes. E, se estamos separados, pisoteamos nosso ambiente.

Na verdade, somos o ambiente, evoluímos a partir do ambiente. Somos parte do ecossistema. Não chegamos aqui por acidente.

Agora sabemos que há diferentes tipos de mutação e que não são aleatórias, mas que são benéficas, direcionadas ou de adaptação, que aumentam a viabilidade de um organismo. Mutações aleatórias quase inevitavelmente causam defeitos e a perda do organismo por causa do gene defeituoso. 

 

 

Organismos interagem com o ambiente, como Lamark sugeriu, e através dessa interação ambiental a informação é usada para ajustar a genética, para que o organismo possa sobreviver num ambiente continuamente em evolução. 

 

Não estamos aqui por acaso. Chegamos aqui como qualquer outro organismo. Cada organismo que a natureza introduziu na biosfera foi porque a biosfera estava ficando desequilibrada. E adicionar organismos vai equilibrando e desequilibrando e ficando mais rico e complexo.

 

Estamos no topo. Somos muito poderosos para controlar o ambiente. Não sabemos que nossa função era vir trazer harmonia e equilíbrio e ser dotados com este poder tão importante.

 

O conceito de mutação aleatória nos engana porque nos tira o propósito da nossa evolução e da nossa existência.




Um novo ponto de vista. Uma nova referência:

 

A nova ciência usa os mesmos dados da ciência anterior, só que olha para eles de uma nova forma.

 

Nosso destino não é voltar para a espiritualidade. É chegar onde espírito e matéria se encontram. Isso vai criar uma nova civilização.

Quando as respostam mudam, a civilização muda.

 

Novas crenças:

Biofísica quântica, epigenética, natureza das mutações de adaptação para se adequar ao mundo, características de que a vida não é competição mas cooperação - mudam a forma como vivemos neste planeta.

Estamos nos movendo em direção a um novo mundo e é um mundo em que podemos prosperar.

 

Na nova ciência, estamos resgatando valores de união com a Natureza, de cooperação como quem vive neste jardim.

… Juntamente com a consciência de que somos além do físico e o uso das novas tecnologias.

 

Mãe Terra e pai Céu + mutações adaptativas.
Cuidar do jardim + adquirir consciência.

Viver em equilíbrio com a  Natureza + Evoluir a Tecnologia.




Eu sei que nem todo esse conteúdo é palatável. 
Mas nos mostra onde estamos errados, como humanidade, e nos aponta uma saída válida.
A mudança de Consciência é agora. 
Está acontecendo.
De que lado você quer estar?

I'm an image

Leticia 'fã do Bruce' Momesso

© 2010 - 2021 (há 11 anos conectando pessoas e a natureza)

Texto alternativo

 contato (DIGA OI :)
[nota: nós usamos cookies. saiba mais aqui]
Peperômia Urbana e FadaQuântica são criadas com coração pela Leticia Momesso

FacebookInstagramYouTube